ROI (Retorno do Investimento) em Capacitação

No Brasil, um dos desafios das redes de franquias atualmente é comprovar a efetividade dos investimentos realizados nos programas de capacitação, tanto da rede quanto das equipes internas da Franqueadora. Para auxiliar neste ponto, é preciso utilizar metodologias comprovadamente válidas para mensuração dos resultados, não apenas subjetivos, mas principalmente objetivos e financeiros após a realização de uma iniciativa de treinamento. Esta iniciativa é importante porque, segundo a pesquisa “Panorama do treinamento do Brasil 2018/2019”, realizada pela ABTD, no Brasil as empresas investem, em média 0,58% do faturamento bruto em treinamento, resultado em um investimento médio de R$ 746 por colaborador (esta média nos EUA é 1,43% resultando em um investimento médio de U$ 1.273 por colaborador).

Avaliando as metodologias existentes, a Praxis Business atualmente utiliza o conceito de ROI de treinamento desenvolvido pelo ROI Institute, fundado por Jack Phillips. Basicamente o ROI de treinamento é o quinto nível de mensuração de resultados de um programa de treinamento (os quatro primeiros níveis foram desenvolvidos por Donald Kirkpatrick), conforme abaixo:

 

  1. Reação: mede a satisfação dos participantes com o programa.
  2. Aprendizado: mede o quanto os participantes aprenderam do conteúdo transmitido.
  3. Comportamento: mede o quanto os participantes internalizaram os comportamentos e estão aplicando de fato o que foi aprendido.
  4. Resultado: mede se os níveis de performance definidos para os indicadores de negócios foram atingidos.
  5. ROI: mede se houve retorno sobre o investimento realizado no programa de capacitação.

 

É importante salientar que atualmente no Brasil a quantidade de empresas que consegue realizar esta mensuração em todos os níveis é mínima, conforme o gráfico.

 

Fonte: “Panorama do treinamento do Brasil 2018/2019” realizado pela ABTD (Associação Brasileira de Treinamento & Desenvolvimento).

 

Após participarmos de vários congressos internacionais sobre essa temática, inclusive com o próprio Jack Phillips, notamos que outro fato unânime é a visão de que os níveis mais importantes são os últimos (comportamento, resultado e ROI), a ponto de especialistas sugerirem que, se houver limitação de orçamento para mensuração de resultados, que estes níveis sejam contemplados e os primeiros sejam descartados. A explicação é simples, os primeiros níveis são MEIOS para que se atinja os últimos, que são o FIM (de finalidade) esperado pela alta gestão.

Primeiramente, existe a necessidade de – antes do programa ainda na etapa de planejamento – se definir os indicadores de todos estes níveis com suas respectivas metas, a fim de mensurar, após o programa, se todos os objetivos foram cumpridos. Havendo objetivos que contemplem as unidades da Rede, existe uma etapa de alinhamento com Franqueados para garantir a adesão aos objetivos traçados.

Analisando criticamente o nível do ROI de treinamento, percebemos a necessidade de se isolar o impacto do programa de capacitação de outras variáveis que eventualmente podem impactar (positivamente ou negativamente) os indicadores de resultado e ROI, como por exemplo mudanças de preços, alterações na economia ou ações similares. Para isso, existem vários métodos para isolar o impacto do treinamento, sendo que a criação de grupos de controle para comparação estatística é um método que tende a mostrar um resultado muito fiel à realidade. Como exemplo, citamos a definição de um grupo de pessoas (ou lojas) que receberá o treinamento, posteriormente se compara seus resultados com os resultados de outro grupo similar que não receberá o treinamento, evidenciando assim qual foi o impacto do treinamento, uma vez que todas as demais variáveis continuaram as mesmas para os dois grupos. Como exemplo em redes de Franquias & Varejo, é possível comparar o indicador “same store sales” de dois grupos de lojas e confrontá-los. 

A partir destes números, calcula-se o ROI de treinamento, que vem a ser o benefício financeiro gerado pelo programa (B$) em relação ao custo financeiro para executar o programa (C$), que é calculado por meio da seguinte equação: ROI = {[ B$ – C$] / C$ } * 100. Para exemplificar, se um determinado programa de capacitação gerou como benefício R$ 90.000,00 e o custo para sua realização tiver sido R$ 50.000,00, o ROI será de 80%, o que quer dizer que para cada R$ 1,00 investido no programa a empresa obteve R$ 1,80 como retorno financeiro. Daí a importância de se certificar que o benefício veio realmente devido à realização do programa.         

Uma informação relevante é que já existem casos práticos de aplicação deste conceito em rede de franquias brasileiras, onde o ROI superou 200%. Esta informação é valiosa não somente por evidenciar o retorno que se obtém por meio dos treinamentos, mas também para facilitar a tomada de decisão dos executivos das empresas em futuros investimentos em capacitação, principalmente em grandes projetos que visam desenvolver toda a rede de franquias.