Porque você não deveria evitar os conflitos

Somente compartilhando o que pensamos, nossos sentimentos, ideias e saberes, que as relações e situações podem se tornar mais produtivas, saudáveis e ricas. Mas muitas vezes, por dificuldade em lidar com situações que advém das discussões, as pessoas evitam se posicionar, por medo ou falta de recursos para lidar com os conflitos.

O que pode motivar a falta de posicionamento de uma pessoa:

  • Não estar segura quanto aquilo que pensa
  • Sentimento de que sua opinião não é importante
  • Medo de errar, ou não ser acolhida
  • Falta de abertura no ambiente ou relação

Na maioria das vezes, os conflitos acontecem porque não somos suficientemente claros, porque não damos atenção e não aprofundamos suficientemente os diálogos com os outros para esclarecer nossos pontos de vista, procurar possíveis sinergias e identificar suas motivações.

Mas, também precisamos considerar que como bem coloca Fred Kofman:

“Desde a relação com os vizinhos até a relação com a família, passando pelas interações com amigos, colegas, superiores, empregados, fornecedores e clientes, as interações humanas são terreno fértil para os conflitos. Temos conflitos porque humanos que somos, não conseguimos escapar das nossas necessidades, medos, egoísmos e aborrecimento. É impossível escolher se teremos ou não conflitos; só podemos escolher como responder aos conflitos.”

Quando deixamos de dizer aquilo que pensamos, trazendo novas ideias ou opiniões sobre projetos e qualquer outra situação em que poderíamos contribuir, empobrecemos nossas relações, o time e claro, nossos resultados. Por isso, é importante criar um ambiente em que as vozes sejam ouvidas e valorizadas. Para que as pessoas se sintam seguras ao expor aquilo que pensam e como se sentem.

Um aspecto bem importante é sabermos que as pessoas têm desejos, ideias e opiniões. Nós não precisamos – nem elas, de concordar ou aprovar essas coisas. Apenas respeitar. E, claro, buscar aprofundar ao máximo o entendimento. Quando as coisas estão obscuras e cheias de “achismos”, convém adotar um diálogo mais profundo com as pessoas envolvidas.

Já reparou que em muitas conversas, as pessoas interrompem umas às outras e não permitem sequer que concluam um raciocínio? Precisamos adotar a escuta valiosa que compreende escutar em silêncio até que o outro termine sua fala. Quando terminar, confirme se o que você entendeu é aquilo que a pessoa queria dizer. Muitos mal-entendidos são solucionados assim.

O ambiente que favorece a contribuição e a colaboração, com exposição e discussão sobre ideias e projetos, que estimula o compartilhamento de dúvidas, erros e sugestões, é infinitamente mais rico, tanto no aspecto das relações pessoais, quanto nos resultados. Esse ambiente, a propósito, é o que chamamos de segurança psicológica.

Reconsidere se você estiver sempre se esquivando de dizer o que pensa, pois, pode estar deixando de trazer grandes ideias ou de ajudar um projeto incipiente a decolar! Comente, compartilhe ideias, medos e dúvidas. Assim, todos crescem!

 

CYNARA BASTOS – Facilitadora de Aprendizagem da Praxis Business. Psicóloga e especialista em desenvolvimento humano.